Notícia
MAAT e AORP lançam coleção de joalharia inspirada na arquitetura do museu
Fotografia: Ricardo Gomes
 

Nove autores de joalharia portuguesa desenharam uma coleção exclusiva inspirada na arquitetura do MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. A iniciativa “Portuguese Jewellery X MAAT Special Edition” resulta de uma parceria entre a AORP – Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal e o museu.  

Com diferentes áreas de formação, do design à arquitetura, das ciências exatas às humanas, uma nova geração de criadores encontra na joalharia portuguesa a sua área de expressão criativa, trazendo novas perspetivas e uma renovada abordagem artística a uma arte de grande tradição no país.  

A coleção representa a visão de cada um dos nove criadores sobre o premiado edifício do MAAT, um projeto da arquiteta britânica Amanda Levete, que foi já distinguido a nível internacional por prémios como Best Museum Architecture of the Year e o Best of Best Iconic Awards 2017. A fluidez das linhas arquitetónicas, a textura e o reflexo da luz e do rio nos mosaicos ou a subtil integração na paisagem foram algumas das bases de inspiração para as criações de Ana Pina, Dalila Gomes, Joana Santos, Kathia Bucho, Leonor Silva, Maria Avillez, Mater Jewellery Tales, Romeu Bettencourt e Vangloria.

A coleção “Portuguese Jewellery X MAAT Special Edition” encontra-se à venda na loja do MAAT. No âmbito da parceria entre a AORP e o MAAT, os mesmos designers integram a loja do Museu, pelo período de 2 meses, em formato rotativo. 

 

A COLEÇÃO

“HORIZON LINE” por Ana Pina 

Inspirado na arquitetura das linhas, nos níveis de espaços, nas direções dos movimentos, que se sobrepõem e intersetam num fluído contínuo, o anel de Ana Pina reflete a geometria presente nos desenhos da fachada do museu, mas também na visão mais poética, a do lugar, pousando na mão com a ergonomia com que o edifício assenta na margem e acompanha a ondulação do rio.

Sobre Ana Pina
As coleções de Ana Pina aliam a sua experiência em arquitectura a técnicas tradicionais de joalharia e conceitos contemporâneos de design, na criação de peças com inspiração marcadamente abstrata e geométrica. Peças únicas ou coleções limitadas articulam elementos de um vocabulário comum, num jogo de contrastes e texturas, relações geométricas e assimetrias, como se de letras que compõem palavras inseridas num texto maior se tratassem.

anapina.com  

 

“WAVE” por Dalila Gomes

Dalila Gomes parte da subtileza do movimento de uma onda, que revê no contraste entre a cobertura que prolonga a paisagem e a fachada ribeirinha. Os brincos Wave desafiam os sentidos: lateralmente parecem ser apenas compostos por uma lâmina trapezoidal, mas, quando vistos de frente, revelam três lâminas curvas e ondulantes, permeáveis à luz.

Sobre Dalila Gomes Jewellery
Simplicidade, versatilidade e equilíbrio são alguns dos princípios subjacentes ao desenho das jóias de Dalila Gomes. Licenciada em arquitetura, os traços da sua formação são evidentes nas suas peças, como a geometria, a estrutura, a ‘simetria assimétrica’, o movimento, a ilusão de ótica, sensação de infinito, entre outros. Nas jóias de Dalila Gomes tudo é definido e desenhado ao pormenor, tudo tem de ser lógico e claro, regido pelas proporções certas. Na busca da perfeição, valoriza-se o rigor formal e a qualidade dos acabamentos.

dalilagomes.com

 

“HOMOGRAPHIC” por Joana Santos

A fluidez gerada pelas curvas, o cruzamento de planos, as suas sobreposições, o efeito cromático do azulejo, o reflexo da luz e a escala humana da sala oval são os vetores de criação da peça Homographic de Joana Santos.

Sobre Joana Santos Jewellery
Licenciada em arquitetura, Joana Santos olhou sempre para a joalharia com grande curiosidade, razão que a levou, em 2013, a iniciar a sua jornada de descoberta e aprendizagem. Não deixando de transportar todo o conhecimento e experiência da formação original para as suas peças, o seu desenho é minimal e geométrico e inspira-se em formas arquitetónicas, mas também nos movimentos da natureza e na arte, contrastando a racionalidade da linha com a delicadeza da técnica e a imprevisibilidade do detalhe.

joanasantosjewellery.com

 

“OVAL THE OTHER SIDE” por Kathia Bucho

Os mosaicos tridimensionais e brilhantes, semelhantes a escamas, refletem a luz do lugar, que varia consoante a hora do dia e a estação do ano. O anel desenhado por Kathia Bucho representa essa textura ao mesmo tempo que a curvatura do miradouro e da sala oval.

Sobre Kathia Bucho Jewelry
Atraída pela elegante simplicidade das linhas minimalistas, Kathia Bucho vagueia entre estruturas mecânicas e formas geométricas extraídas do seu ambiente urbano original, introduzindo no seu trabalho detalhes inesperados que resultam em ergonómicas esculturas como uma pequena extensão do corpo que as usa. Do tradicional trabalho de joalharia clássica em materiais nobres à utilização de plásticos, nylons e borrachas, do esboço inicial em papel à criação digital, Kathia explora o seu universo quotidiano, transformando-o em peças que refletem uma verdadeira visão artística independente.

kathiabucho.com

 

“WHERE THE WORLD TOUCHES YOU” por Leonor Silva

Leonor Silva reflete sobre a ligação com o passado, recordando os navegadores e o Tejo como ponto de partida da descoberta; sobre o museu como um ícone da arquitetura e arte contemporânea que alavanca Lisboa para o mundo e sobre o apelo urgente da sustentabilidade, onde criatividade e tecnologia se tornam uma ferramenta e um meio de conexão. 

Sobre Leonor Silva Jewellery
Com uma linguagem artística muito própria, Leonor Silva recorre ao humor e à ironia para interpretar o que se passa à sua volta. O resultado são jóias que além da estética, se afirmam pela força da mensagem.

leonorsilva-jewellery.com

 

“TRAPÉZIO ARTICULADO” por Maria Avillez

O colar proposto por Maria Avillez recorre à forma do trapézio como representação das linhas e geometrias do edifício, ao mesmo tempo que da analogia sugerida pela união e integração dos elementos, que formam uma peça única.

Maria Avillez Jewellery
Designer gráfica, Maria Avillez sentiu-se seduzida pela manualidade e componente artística da joalharia. O seu trabalho caracteriza-se pelas formas gráficas e simples, gostando de explorar vários materiais e tendo no quotidiano a principal fonte de inspiração.

facebook.com/mariaavillezjewellery

 

“M” por Mater Jewellery Tales

(“M” de maré; de mar; de MAAT)

A forma e textura da cobertura, marcada pela linearidade e brilho dos azulejos serve de inspiração aos brincos M. Metaforicamente, representam a ligação ao rio e ao mar como reflexo de tradição e de uma história que se renova pela arte.

Sobre Mater Jewellery Tales
Contar histórias, histórias que fiquem guardadas na memória. Razão que levou Sara Coutinho, designer de produto de formação, a fundar a MATER jewellery tales. O seu trabalho está assente no legado histórico, cultural e humano, onde procura testemunhar com sensibilidade, objetividade e sensualidade território frágil. Cada peça é o resultado de fragmentos do mundo vivido e sonhado. Interpretações geometrizadas que sofrem sucessivas simplificações para que estas memórias permaneçam, através das jóias.

mater-jewellery.com

 

“PEARL OF MAAT” por Romeu Bettencourt

Arquitetonicamente imponente, olhando no horizonte a outra margem do Tejo. Simples, mas vincando a presença da tecnologia do séc. XXI. A visão de Romeu Bettencourt sobre o MAAT está na base do colar que retrata a ligação entre arquitetura, tecnologia e arte. As suas linhas, dão a ideia de ilusão ótica, definindo o movimento do Tejo.

Sobre Romeu Bettencourt
Romeu Bettencourt nasceu nos Açores e sonhou ser piloto deste pequeno. A sua paixão pelas dinâmicas e mecânicas aeroespaciais quase o levaram a enveredar pelas leis da engenharia, mas deixou-se antes enredar pela liberdade da criação. E é nesse paradoxo que se constroem as suas peças. Partindo de experiências e modelações plásticas, desenha jóias de elegância subtil. Entre a geometria do desenho e a leveza do movimento, entre as linhas mecânicas e as formas sedutoramente femininas. 

romeubettencourt.com

 

“ROOF” por Vanglória Jewellery Design

A cobertura do edifício do museu serve de inspiração à peça criada por Vanessa Pires. A curvatura pontuada pelo brilho do reflexo dos azulejos ganha forma numa jóia marcada pela ergonomia e movimento.

Sobre a Vanglória Jewellery Design
Vanessa Pires é a designer e criadora das jóias Vanglória. Licenciada em Marketing e Publicidade, foi na joalharia que encontrou a sua paixão. As suas criações, concebidas artesanalmente, recorrendo a técnicas tradicionais, têm uma forte componente conceptual, e resultam da fusão entre o mundo concreto das formas e a intangibilidade das emoções, num processo alquímico que traz à luz jóias arrojadas, plenas de simbolismo.

vangloria.pt